Bem-vindo ao site da CONFAGRI
25-06-2017 21:44
Go Search

 

Sintomas e Sinais

 

  • Frutos escurecidos com uma cicatriz junto ao orifício de postura ou com orifício circular de saída das larvas;

Larva

 

  • Larva em forma de C, branca com a cabeça acastanhada. Adulto acastanhado a acinzentado (6 a 10mm) com forma típica de gorgulho, com peças bocais projectadas e muito compridas (rostro).

 

Biologia e Comportamento

  

 

Insecto que se alimenta dos frutos, provocando a sua destruição e afectando a regeneração natural das espécies. Aumenta a tendência para o apodrecimento dos frutos. No caso da Azinheira e do Castanheiro pode inviabilizar a produção.

 

Ataca diversas folhosas, em particular o castanheiro o sobreiro a azinheira o carvalho negral e o carvalho português. A predisposição aos ataques é maior em plantas em stress, sendo favoráveis os anos secos e quentes. Os ataques são mais intensos em anos de baixa produção após anos de grande abundância.

 

Os adultos necessitam de um período de alimentação antes de iniciarem a reprodução (pasto de maturação) durante o qual se alimentam dos gomos e base dos frutos novos. A fêmea põe cerca de 20 ovos, em orifícios que faz com o rostro. Regra geral coloca apenas um ovo em cada fruto, podendo por vezes colocar 2 ou excepcionalmente 3. As larvas alimentam-se da polpa, o que leva à queda do fruto. Quando completam o desenvolvimento, saem do fruto e enterram-se no solo (10-15 cm de profundidade) para passar o Inverno e transformar-se em adulto (pupação).

 

 

A gradagem do terreno, realizada com o objectivo de expor as larvas ao sol, deve ser realizada com muita precaução, pois no caso de ser mal feita, corremos o risco de ferir as árvores e as raízes favorecendo a disseminação de algumas pragas e doenças que de espalham pelas raízes.

 

 

Prevenção e Meios de Controlo

 

Medidas preventivas

 

  • Limpeza da vegetação rasteira para facilitar a apanha dos frutos caídos;
  • Remoção dos frutos caídos no solo e lavouras superficiais.

 

Meios de controlo

 

  • Gradagem do solo por debaixo das árvores para expor as larvas ao sol (a utilizar com precaução);
  • Nos montados, o pastoreio com porco de montanheira contribui para o controlo da praga;
  • A manutenção de castanha mergulhada em água durante 10 dias, provoca a mortalidade das larvas sem afectar a capacidade germinativa.

 

 

Sara Pereira

António Heitor

 

Departamento Técnico Florestal da CONFAGRI  

 

 

 

Voltar