Bem-vindo ao site da CONFAGRI
21-09-2017 23:54
Go Search
 
 

 
Incêndios: Vários agricultores perderam tudo no fogo de Alijó 

 

A manhã desta segunda-feira foi de desolação nas aldeias afectadas pelo fogo que lavra desde domingo, em Alijó, no distrito de Vila Real, com a constatação comum a várias pessoas que vivem da agricultura: perderam tudo.

«Fiquei sem anda, perdi tudo: pinheiro, castanheiros», desabafava Sónia Cardoso, junto à outros populares no cruzamento de Chã, que dá acesso a várias aldeias. Sónia tem propriedades nas quatro frentes do fogo e nos quatro sítios, diz, ficou sem nada. «Só tenho a casa para viver e estamos nós, que é o que interessa», continuou. Está a falar e ainda está a tremer, mas outro alento lhe ficou.

O longo da tarde de domingo, na fase pior do incêndio e quando as autoridades cortaram todos os acessos, não pôde ir ver as propriedades e uma das suas principais preocupações, os cães, que ficaram a salvo.

O mesmo relato de António e Celeste, outro casal que viveu momentos de pânico na tarde de domingo. António fechou-se na casa de banho de casa. «Já estava a entrar em pânico, já estava a sentir-me intoxicado com o fumo», contou.

Nessas horas, «não havia saída para lado nenhum, estava tudo cortado», relatou, referindo-se às estradas e acesso encerrados devido às chamas.

Celeste conta o que viu quando pode deslocar-se às propriedades agrícolas. «Arderam-me vinhas, castanheiros, tudo ali acima», aponta, referindo-se à área da zona industrial, onde «ainda arderam pavilhões e o pavilhão dos frangos, no aviário».

Há ainda relatos de uma casa ardida onde viva idoso e de vário equipamento agrícola, nomeadamente tratores. O fogo ainda anda por aí, e, embora durante a manhã de hoje, a situação estivesse melhor, o cenário de domingo é o que prevalece nas conversas. «Isto estava péssimo, nem sabia de onde é que vinha o fogo», rematou António.

As fagulhas e o fumo preenchiam hoje de manhã o horizonte desta zona do concelho de Alijó, mas a situação estava está «francamente melhor», como relatou, ao início da manhã, o comandante operacional no terreno, Pedro Nunes. O responsável ressalvou, que as chamas ainda não estão dominadas e há quatro zonas «que inspiram bastantes cuidados».

Ao início da manhã não havia nenhuma povoação em perigo e itinerário IC5 que foi cortado, no domingo, estava reaberto ao trânsito de forma condicionada.

No domingo foram retiradas da localidade de Vila Chã algumas pessoas, como medida preventiva, e que durante o período noturno já regressaram a casa.

A meio da manhã os meios aéreos começaram a sobrevoar a zona, onde se encontram cerca de 450 operacionais apoiados por cerca de 140 veículos e quatro máquinas de rastro.

Ao início da manhã era aguardado o reforço de mais quatro máquinas de rasto do exército, além de mais quatro pelotões militares, como disse o comandante operacional.

Fonte: Lusa


Notícias Associadas:

Portugal e Espanha pretendem pedir antecipação da PAC em 70 por cento
UE: Campanha de comercialização 2017/2018 com produção de cereais inferior à média e aumento da superfície de beterraba
Incêndios: Trinta e sete concelhos do continente em risco "máximo"
Incêndios: Bruxelas dará um máximo de 12,5 milhões de euros
Açores registam crescimento no abate de bovinos para consumo local


Imprimir  Enviar a um amigo

Voltar atrás