Bem-vindo ao site da CONFAGRI
19-08-2017 06:35
Go Search
 
 

 
PE propõe medidas para reduzir em metade o desperdício alimentar na UE 

 

Os eurodeputados querem reduzir a metade as 88 milhões de toneladas de comida que todos os aos acaba no lixo Na União Europeia. O objectivo é reduzir em 30 por cento o desperdício de alimentos em 2015 e 50 por cento em 2030.

O Parlamento Europeu propõe a eliminação das restrições para as doações e acabar com as confusões entre as rotulagens de “consumo preferencial” e “data de validade”. Segundo o redator do texto Bikjana Borzan, da Croácia, «nos países desenvolvidos a comida a comida é desperdiçada, sobretudo, no final da cadeia, na distribuição e pelos consumidores. Todos somos responsáveis» disse.

A Parlamento pede aos Estados-membros que adoptem as medidas necessárias para reduzir o desperdício de alimentos em 30 por cento em 2015 e 50 por cento em 2030, em comparação com 2014, um objectivo introduzido na legislação sobre desperdícios aprovada em Março.

As autoridades nacionais e os operadores do sector alimentar devem fazer mais para garantir que os consumidores percebam a diferença entre as datas de validade e de consumo preferencial, em articular, o facto de que podem consumir alimentos uma vez ultrapassada a data de consumo preferencial, assinala a resolução.

Os eurodeputados pedem à Comissão que avalie os possíveis benefícios de eliminar as datas de consumo de alguns produtos sem que implique riscos para saúde ou ambiente.

O parlamento quere ainda que a Comissão proponha uma mudança na directiva do Imposto sobre o Valor Acrescentando (IVA), autorizando explicitamente a isenção de impostos nas doações de alimentos. Sugere ainda que o Fundo de Ajuda Europeia para os Mais Necessitados (FEAD, sigla em inglês) seja utilizado para financiar os custos das infra-estruturas de armazenamento e transporte dos alimentos doados.

Cerca de 88 milhões de toneladas de comida, equivalente a 173 quios por pessoa, acabam, por ano, no lixo da União Europeia. A produção e eliminação destes alimentos provoca a emissão de 170 milhões de toneladas de dióxido de carbono (CO2) e requere o uso de 26 milhões de toneladas de recursos.

Fonte: Agrodigital


Notícias Associadas:

França já tem novo Ministro da Agricultura
Cooperativas Agro-alimentarias de Espanha pede manutenção da tarifa ao mosto Argentino
Ministros da Agricultura da UE discutem situação da Peste Suína africana
PE contra autorização de importação de milho e algodão geneticamente modificados
Bruxelas relança tentativa para autorizar o glifosato a longo prazo


Imprimir  Enviar a um amigo

Voltar atrás