Ministra da Agricultura destaca contributo da agricultura no Plano de Gestão Integrada de Fogos Rurais

Confagri 12 Fev 2020

Fonte: portugal.gov.pt

A Ministra da Agricultura, Maria do Céu Albuquerque, destacou o contributo do setor no Plano Nacional de Gestão Integrada de Fogos Rurais, com a aposta nos diferentes tipos de agricultura e de agricultores, melhorando a posição destes na cadeia de valor.

«Certos do contributo do setor da agricultura neste desafio, não podemos hesitar na aposta nos diferentes tipos de agricultura e de agricultores, designadamente no que toca à produção biológica, à agricultura familiar e à silvopastorícia, bem como na busca de oportunidades de negócio associadas à bioeconomia», disse Maria do Céu Albuquerque, numa audição parlamentar, em Lisboa, em conjunto com os Ministros da Administração Interna, Eduardo Cabrita, e do Ambiente e da Ação Climática, Matos Fernandes.

Durante a apresentação, aos deputados, do Plano Nacional de Gestão Integrada de Fogos Rurais (PNGIFR), que esteve em consulta pública durante dois meses e até 5 de fevereiro a Ministra da Agricultura destacou o «papel crucial» do setor na ocupação e na gestão dos territórios, nomeadamente na criação de faixas de interrupção da floresta e de um mosaico na paisagem, «dificultando ou, mesmo, impedindo a propagação de incêndios».

Agricultura e prevenção de fogos

Classificando como «virtuosa» a ligação do setor com a prevenção de fogos rurais, Maria do Céu Albuquerque disse que é preciso dinamizar a agricultura enquanto atividade económica, com a criação de rendimentos e de emprego para os residentes desses territórios rurais, com a aplicação de inovação e com a valorização dos produtos endógenos.

«Neste processo, pretende-se também garantir a melhoria da posição do agricultor na cadeia de valor, nos casos em que é também proprietário da floresta, fomentando a agregação em organizações de produtores florestais e o seu crescimento para a gestão e comercialização do produto», afirmou ainda, explicando que o objetivo é diminuir o nível de vulnerabilidade aos incêndios e aumentar a competitividade do setor.

A Ministra sublinhou que a questão do redimensionamento da propriedade rural «não será esquecida», em que se procurará «promover o emparcelamento e apoiar a implementação de mecanismos reguladores de prédios rurais», com o objetivo de obter áreas de cultura economicamente viáveis e com maiores níveis de rentabilidade.

Para aumentar a remuneração dos proprietários, o Governo pretende lançar linhas de apoio técnico e financeiro para a promoção de projetos nas áreas da bioeconomia e da economia circular, a diversificação e qualificação das atividades da economia rural e a promoção da multifuncionalidade dos sistemas agroflorestais através do «aumento das várias atividades agrícolas e visando ainda o reforço da presença de jovens empresários em territórios rurais».

Diversificar paisagem

Além disso, o PNGIFR prevê o planeamento e a promoção de uma paisagem diversificada e em mosaicos, que se concretizará com a implementação de Programas Territoriais Multifundos para Espaços Agroflorestais em Territórios Prioritários.

A ideia é promover a «reconversão de espaços para usos agrícolas ou para a silvopastorícia, com maior relevo para as áreas em redor dos aglomerados rurais», explicou a Ministra da Agricultura, lembrando a importância da promoção da silvopastorícia a norte do Tejo, designadamente para o aumento de efetivos e para a valorização das regiões e dos produtos.

Com um horizonte temporal de uma década, o PNGIFR prevê que, em 2030, tenham sido limpos 1,2 milhões de hectares de floresta, correspondentes a «20% dos seis milhões de hectares que existem no território com risco de incêndio».

As metas a atingir prevêem ainda que dentro de 10 anos as áreas ardidas com mais de 500 hectares estejam totalmente geridas e com planos de recuperação executados, e que existam menos de 80% das ignições nos dias de risco de incêndio.

O plano prevê uma despesa total superior a seis mil milhões de euros, com um investimento expectável de 60% a ser direcionado para a prevenção e 40% para o combate, tendo como objetivo central a redução para metade da área ardida até 2030.

Balcão Verde

Balcão de Atendimento aos Agricultores.
Com o RURALSIMPLEX é possível junto das estruturas locais - Cooperativas Agrícolas, Caixas de Crédito Agrícola, Associações de Agricultores e outras entidades com o protocolo específico agrupadas na CONFAGRI - atender Agricultores e prestar-lhes serviços de qualidade.

Aceder ao Balcão Verde Acesso reservado
Newsletter e Alertas

Receba alertas das notícias que mais interessam no setor agrícola: Legislação, Programas e Incentivos, Formação Profissional, Produtos e Iniciativas, Cooperativismo e todas as novidades relacionadas com a sua atividade profissional. Subscreva a newsletter CONFAGRI