Perspectivas agrícolas da UE 2021-31

Confagri 09 Dez 2021

Este relatório cobre o período de 2021 a 2031 e reflete as políticas agrícolas e comerciais em vigor em novembro de 2021. As projeções globais baseiam-se no “OCDE-FAO Agricultural Outlook 2021-2030” atualizado com os dados macroeconômicos e de mercado mais recentes.

Uso do Solo

Prevê-se que a área agrícola total da UE diminua ligeiramente, principalmente devido à redução da área plantada com culturas arvenses. Na ausência de medidas de apoio da nova PAC ou iniciativas relacionadas com o European Green Deal (ainda a serem implementadas), a área dedicada à produção biológica deverá atingir 15% do total de terras agrícolas até 2031. Isso pressupõe que a procura destes produtos continuará a crescer. Como resultado, a taxa anual de conversão de convencional para biológico deve permanecer tão forte em 2022-2031 quanto em 2014-19. Apoio adicional ao setor de agricultura biológica pode resultar numa aceleração da tendência.

Culturas arvenses

A área total de cereais da UE deverá diminuir para 51,2 milhões de ha entre 2021 e 2031, devido à diminuição das principais áreas de cereais. Espera-se que as produções de trigo e cevada diminuam ligeiramente, enquanto as de milho ainda podem aumentar devido a melhorias de produção nos países do leste da UE. Isso resultará numa produção de cereais de 276 milhões de toneladas em 2031 (-2,5% em relação a 2021). O auto-consumo deve diminuir para 254,8 milhões de t, principalmente devido à menor produção animal e uso de rações. Do lado comercial, a UE continuará a ser competitiva, mas enfrentará uma forte concorrência de outros intervenientes importantes, nomeadamente da região do Mar Negro, o que conduzirá, num mercado em crescimento, a uma redução das quotas de mercado. O impacto potencial do aumento nos preços de fertilizantes e energia nas decisões de plantação dos agricultores em 2022 representa a principal incerteza de curto prazo.

A área de oleaginosas da UE deve ser de 10,7 milhões de hectares, mantendo os níveis atuais. Espera-se que a produção de oleaginosas aumente lentamente, principalmente girassol e soja, enquanto a situação da semente de colza será desafiadora, por ser mais sensível às condições climáticas desfavoráveis e à pressão de pragas. A estimativa de produção em 2031 de sementes oleaginosas da UE é de 31,2 milhões de toneladas. Os volumes de moagem de oleaginosas devem se manter estáveis, apesar da queda na procura por farinhas, em detrimento da sua importação. A procura da UE por óleos vegetais deve diminuir, devido ao menor uso não alimentar. As importações de óleo de palma serão as mais afetadas devido ao declínio na procura de biodiesel.

O forte crescimento da produção de proteaginosas da UE será impulsionado por um aumento na área e melhorias no rendimento, e superará a procura de alimentos para animais e do consumo humano, levando a menos importações. Um aumento no consumo de arroz na UE beneficiará especialmente os países que exportam através do regime “Everything but Arms“.

A área de açúcar da UE deverá estabilizar a médio prazo e a produção da UE aumentará lentamente para 16,3 milhões de toneladas até 2031. Prevê-se uma diminuição do consumo humano de açúcar, refletindo uma mudança para dietas com menos açúcar. O aumento das exportações de açúcar para produtos industrializados deve compensar a queda do consumo.

Os preços dos alimentos devem diminuir nos próximos anos e, então, valorizar até 2031.

Leite e laticínios

Os objetivos de sustentabilidade podem traduzir-se numa desaceleração no crescimento anual da produção de leite da UE (0,5% ao ano), que chegará a 162 milhões de t até 2031. O setor também irá provavelmente melhorar ainda mais as práticas agrícolas, com foco em ganhos de eficiência e em padrões ambientais mais elevados. As alternativas aos sistemas convencionais ganharão uma maior cota de mercado, resultando num menor crescimento anual da produção (1,2% em comparação a 1,9% em 2011-2021) e compensando a redução mais forte do efectivo leiteiro (-1,5 milhões de vacas em 2031). A produção de leite biológico deve chegar a 8% em 2031 (3,5% em 2019).

A UE continuará a ser o maior fornecedor de lácteos no mercado mundial (30% do comércio global de lácteos em 2031), à frente da Nova Zelândia e dos EUA, apesar da desaceleração do crescimento europeu. O maior crescimento da procura por lácteos será registrado na Ásia (mais de 17% ao ano, excluindo a Índia).

Tal como no passado, espera-se que o queijo beneficie mais com o leite que será produzido até 2031 (taxa de crescimento anual de 0,7%, atingindo cerca de 40%), gerando o valor mais elevado (cerca de 40 mil milhões de euros). O mercado da UE continuará a ser o principal consumidor do leite produzido internamente, mesmo que a parte do leite exportado possa aumentar (17% em comparação com 15% em 2021).

Os aspectos nutricionais impulsionarão a procura por produtos lácteos da UE, com o consumo de produtos biológicos apoiado por medidas de apoio público. Em 2031, espera-se que a maior procura por proteínas do leite e a elevada valorização sustentada da gordura do leite levem a um aumento no preço do leite cru na UE (cerca de 39 EUR/ t em 2031).

Carne

O consumo mundial de carne deve continuar a aumentar 1,4% ao ano, devido ao aumento da população e ao aumento do rendimento nos países em desenvolvimento.

Espera-se que a sustentabilidade desempenhe um papel cada vez mais proeminente nos mercados de carne da UE, tanto para produtores como para consumidores. À medida que a consciência ambiental dos consumidores, as considerações de saúde e as tendências de conveniência mudam, o consumo de carne per capita da UE deve diminuir ligeiramente para 67 kg em 2031.

A recuperação da capacidade de produção de carne de suíno na China terá um impacto negativo nas exportações da UE. Além disso, as preocupações com a saúde, o meio ambiente e a sociedade devem afastar as preferências dos consumidores, resultando em um declínio anual na produção de 0,8% no período de 2021-2031. No entanto, é provável que a UE continue a ser o maior exportador de carne de suíno do mundo.

O aumento na procura da UE por carne de aves e na produção de aves da UE deve desacelerar. As exportações devem continuar a beneficiar da valorização de cortes específicos e menos procurados na UE, mas a expansão será limitada pela concorrência. As importações, principalmente para fornecimento de serviços de alimentação, devem se recuperar perto dos níveis anteriores ao COVID-19.

A produção e o consumo de carne de ovino e caprino na UE deverão aumentar ligeiramente. As exportações de animais vivos devem diminuir, principalmente devido a questões de bem-estar animal e risco financeiro. As exportações de carne devem aumentar como resultado da consolidação do comércio com o Reino Unido e parceiros no Oriente Médio. As importações de carne ovina se recuperarão no curto prazo, mas a Austrália e a Nova Zelândia se concentrarão mais nos mercados asiáticos.

Culturas específicas

A produção de azeite da UE deve crescer e chegar a 2,5 milhões de toneladas em 2031. No entanto, as alterações climáticas continuarão um desafio, levando a variações anuais na produção e na qualidade de azeite. Como o consumo per capita permanece baixo nos principais destinos de exportação da UE, o potencial de crescimento é alto. O crescimento do consumo na UE deve ser impulsionado por países não produtores.

O setor vitivinícola da UE está a adaptar-se às mudanças nos estilos de vida e às diferentes preferências das diversas gerações de consumidores. A tendência de queda no consumo deve desacelerar, enquanto outros usos (produção de álcool, vinagre etc.) deverão aumentar ligeiramente. As exportações da UE devem ser impulsionadas pela elevada procura de vinho com indicação geográfica (IG) e vinhos espumantes em geral. Estas tendências resultarão num ligeiro declínio na produção de vinho da UE.

A estimativa de produção de maçã da UE aponta para que permaneça estável graças ao aumento da produção que compensará a diminuição da área. O consumo deverá aumentar ligeiramente, impulsionado pelas variedades de maçã que refletem melhor as preferências do consumidor, enquanto as exportações devem estabilizar como resultado do aumento da concorrência nos mercados de exportação.

A diminuição de área reduzirá a produção de pêssegos e nectarinas. Além disso, também o consumo deve diminuir. Para pêssegos enlatados e secos, a disponibilidade limitada atual e os preços altos podem fazer com que os consumidores (incluindo o serviço de alimentação) mudem para outros produtos processados.

Impulsionado por uma imagem de saúde positiva e pela procura de sumo, o consumo de laranja na UE deverá aumentar ligeiramente. O aumento das preferências dos consumidores por laranjas frescas e sumos naturais em vez de concentrados deve pressionar a procura por laranjas para processamento.

Prevê-se que a produção de tomate fresco da UE diminua ligeiramente devido à forte concorrência estrangeira e ao aumento da procura de variedades de pequena dimensão. O consumo e a produção de tomates transformados na UE devem permanecer estáveis As exportações devem permanecer relativamente estáveis.

Consulte aqui o Relatório

Balcão Verde

Balcão de Atendimento aos Agricultores.
Com o RURALSIMPLEX é possível junto das estruturas locais - Cooperativas Agrícolas, Caixas de Crédito Agrícola, Associações de Agricultores e outras entidades com o protocolo específico agrupadas na CONFAGRI - atender Agricultores e prestar-lhes serviços de qualidade.

Aceder ao Balcão Verde Acesso reservado
Newsletter e Alertas

Receba alertas das notícias que mais interessam no setor agrícola: Legislação, Programas e Incentivos, Formação Profissional, Produtos e Iniciativas, Cooperativismo e todas as novidades relacionadas com a sua atividade profissional. Subscreva a newsletter CONFAGRI