França e Irlanda ameaçam bloquear acordo com Mercosul. Finlândia sugere à UE boicote à carne

Confagri 23 Ago 2019

Fonte: publico.pt

Acordo UE-Mercosul foi alcançado em Junho, após 20 anos de negociações. Macron acusa Bolsonaro de “mentir” e de não respeitar os compromissos ambientais que tinha assumido.

A Finlândia apelou esta sexta-feira à União Europeia (UE) que considere a possibilidade de banir as importações de carne brasileira como resposta à devastação causada pelos fogos na floresta amazónica. O apelo foi feito no mesmo dia em que a Irlanda e a França ameaçaram bloquear o acordo entre a União Europeia e o Mercosul alcançado em Junho, após 20 anos de negociações.

“O ministro das Finanças, Mika Lintilä, condena a destruição da floresta tropical e sugere que a UE e a Finlândia devem rever urgentemente a possibilidade de banir importações de carne do Brasil”, disse o ministério das Finanças finlandês em comunicado citado pela Reuters. A Finlândia assume neste momento a presidência rotativa da UE, mandato que só termina no final deste ano. 

O Presidente francês, Emmanuel Macron – que acolhe este fim-de-semana o G7 em Biarritz – acusa Jair Bolsonaro de “mentir” e de não respeitar os compromissos ambientais que tinha assumido anteriormente durante um encontro do G20. “Dada a atitude do Brasil nas últimas semanas, o Presidente da República nota que o Presidente Bolsonaro mentiu na cimeira [do G20] em Osaka”, no Japão, sublinha o Eliseu em comunicado. Por isso, acrescenta o documento, “a França opõe-se ao acordo do Mercosul”.

Já o primeiro-ministro irlandês, Leo Varadkar, garantiu, por sua vez, que, se o Brasil não tomar medidas para proteger a floresta tropical, Dublin vai votar contra o acordo comercial entre a UE e o Mercosul, alcançado em Junho após duas décadas de negociações.

À semelhança de outros líderes políticos, Leo Varadkar mostrou-se preocupado com a destruição da Amazónia e assegurou que o Governo irlandês irá monitorizar de perto os esforços ambientais do Governo brasileiro até que o acordo com o Mercosul seja ratificado. “A Irlanda não irá votar a favor do acordo de livre-comércio entre a União Europeia e o Mercosul se o Brasil não honrar os seus compromissos ambientais”, garantiu Varadkar.

Para bloquear o tratado de livre comércio entre a UE e os quatro países que compõem o Mercosul (Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai), a Irlanda iria precisar porém do apoio de outros Estados-membros da União Europeia. Dublin tem aliás interesse directo neste dossier, já que o próprio Governo irlandês tem vindo a ser pressionado pelo sector agro-pecuário, no sentido de proteger os produtores irlandeses de carne bovina, que receiam vir a ser prejudicados com uma possível inundação de produtos concorrentes mais barata vinda de países do Mercosul. Isto, num contexto de incerteza e receios sobre um “Brexit” sem acordo nos próximos meses.  

O primeiro-ministro irlandês classificou ainda de “orwelliana” a tentativa do Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, de culpar as organizações ambientais pelos incêndios.

A situação está “descontrolada”

O número de incêndios no Brasil aumentou 83% este ano, em comparação com o período homólogo de 2018, com 72.953 focos registados até dia 19 de Agosto, sendo a Amazónia a região mais afectada. Depois de semanas de silêncio, só quebrado para fazer acusações, Bolsonaro admitiu, nesta quinta-feira, que a situação está “descontrolada” e que o Brasil não tem meios adequados para combater os mais de 70 mil fogos em todo o país. 

A Amazónia é a maior floresta tropical do mundo e possui a maior biodiversidade registada numa área do planeta. Tem cerca de 5,5 milhões de quilómetros quadrados e inclui territórios do Brasil, Peru, Colômbia, Venezuela, Equador, Bolívia, Guiana, Suriname e Guiana Francesa (pertencente à França). O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) brasileiro anunciou que a desflorestação da Amazónia aumentou 278% em Julho, em relação ao mesmo mês de 2018.

Emmanuel Macron apelou hoje para que os incêndios na Amazónia sejam discutidos na cimeira do G7, que se realiza nos próximos dois dias na cidade francesa de Biarritz, por se tratar de uma “crise internacional”. Uma ideia apoiada pela chanceler alemã, Angela Merkel. Participam na cimeira os líderes da Alemanha, Canadá, Estados Unidos da América, França, Itália, Japão e Reino Unido.

Também a Comissão Europeia se manifestou esta sexta-feira “profundamente preocupada” com a situação na floresta amazónica. “A Amazónia é a maior floresta tropical do mundo e contém um décimo das espécies mundiais. É por isso que saudamos as intenções do Presidente [francês] Macron de discutir esta questão na cimeira do G7, dada a necessidade de actuar rapidamente”, afirmou a porta-voz do executivo comunitário, Mina Andreeva, em conferência de imprensa.

Também o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, se mostrou “profundamente preocupado” com os incêndios numa das “mais importantes fontes de oxigénio e biodiversidade”, referindo que a Amazónia “deve ser protegida”.

Balcão Verde

Balcão de Atendimento aos Agricultores.
Com o RURALSIMPLEX é possível junto das estruturas locais - Cooperativas Agrícolas, Caixas de Crédito Agrícola, Associações de Agricultores e outras entidades com o protocolo específico agrupadas na CONFAGRI - atender Agricultores e prestar-lhes serviços de qualidade.

Aceder ao Balcão Verde Acesso reservado
Newsletter e Alertas

Receba alertas das notícias que mais interessam no setor agrícola: Legislação, Programas e Incentivos, Formação Profissional, Produtos e Iniciativas, Cooperativismo e todas as novidades relacionadas com a sua atividade profissional. Subscreva a newsletter CONFAGRI