«Irrigação gota a gota é chave na agricultura inteligente e é importante para melhorar o destino dos povos e das comunidades»

Confagri 17 Mai 2019

«A irrigação gota a gota converteu o deserto israelita em terrenos agrícolas e está a fazer o mesmo um pouco por todo o mundo. Por exemplo, a irrigação gota a gota foi adotada para prevenir a seca/inundações na Califórnia»

Naty Barak, diretor de Sustentabilidade da Netafim, abre a série de artigos de opinião e mini-entrevistas, publicadas até à próxima segunda-feira no Expresso.pt e antecipam o arranque do “Portugal Smart Cities Summit 2019”, evento com 11 conferências divididas por três dias, 21 a 23 de maio, para discutir que “O Futuro Passa Aqui” quando falamos de cidades inteligentes.

Naty Barak é um dos principais oradores do painel dedicado à “Água e Cidades do Futuro: construindo a realidade” e fala-nos do bom exemplo de Israel.

Em locais de escassez de água, o foco não é apenas na gestão do abastecimento de água, mas no uso eficiente dos recursos hídricos disponíveis. Uma vez que mais de 70 por cento da água que consumimos em todo o mundo vai para a agricultura, e que haverá cerca de 11 mil milhões de bocas para alimentar até 2100, melhorar a eficiência de irrigação terá um impacto potencialmente significativo no uso global de água.

Os sistemas de irrigação gota a gota, desenvolvidos pela Netafim no deserto de Negev, em Israel, envolvem a focalização precisa de água e nutrientes para a planta e raiz. Isso evita que a água seja desperdiçada no resto do solo e otimiza as condições de humidade e ventilação, resultando numa maior produtividade e significativa poupança de água, energia e fertilizantes. Assim, a irrigação gota a gota é um componente chave na agricultura inteligente que é importante para melhorar o destino dos povos e das comunidades.

Em Israel, mais de 75 por cento da agricultura irrigada utiliza a irrigação gota a gota. Quase 85 por cento dos efluentes de Israel são reciclados, posteriormente purificados em bacias por oxidação aeróbia e anaeróbia e enviados para reservatórios de armazenamento para as necessidades agrícolas, melhorando a resistência contra a seca.

A irrigação gota a gota converteu o deserto israelita em terrenos agrícolas e está a fazer o mesmo um pouco por todo o mundo. Por exemplo, a irrigação gota a gota foi adotada para prevenir a seca/inundações na Califórnia, e para a prática de agricultura economicamente viável na Índia.

A integração da irrigação gota a gota nas tecnologias digitais agrícolas reforça ainda mais as vantagens sustentáveis deste sistema. A plataforma NetBeat da Netafim é um exemplo de tecnologias de “agricultura inteligente”. Usando sensores em campo, o sistema recolhe em tempo real dados de colheitas e meteorológicos, analisa-os na nuvem utilizando modelos de colheita sofisticados e, em seguida, dá aos agricultores recomendações automatizadas que permitem otimizar as decisões de irrigação, fertirrigação e proteção das culturas. O resultado é uma melhoria da capacidade dos agricultores de produzirem mais, utilizando menos água e outros.

O EXEMPLO DE ISRAEL

60 por cento de Israel é deserto. O resto é semiárido. A economia hídrica está sempre à beira da catástrofe. Nos últimos anos, as reservas de água de Israel têm caído abaixo de todas as linhas vermelhas e foram tomadas medidas drásticas de curto prazo: Taxação diferencial da seca e proibição de irrigação por outros meios que não a água residual reciclada. Israel adotou uma política coordenada para superar os desafios da escassez de água. Isto incluiu um enquadramento jurídico claro, uma gestão integrada da água, uma sociedade de poupança de água, Economia de água, Tecnologia e Inovação. A irrigação gota a gota está dentro da Tecnologia & Inovação. Bem como a reutilização de águas residuais e a dessalinização.

Israel é líder em dessalinização da água do mar através da Osmose Inversa (OI). 80 por cento da nossa água potável vem da dessalinização. O processo de dessalinização com utilização intensiva de energia usa bombas de pressão para empurrar a água do mar filtrada através de membranas delicadas, produzindo água doce e salmoura grossa. Para evitar o impacto ambiental negativo grave sobre a vida marinha, são construídas fábricas de dessalinização ao lado de centrais elétricas onde se adiciona lentamente a salmoura às águas de refrigeração da central, diluindo o efluente antes de o devolver à água do oceano. A dessalinização também tem um impacto económico: o consumo de energia para a dessalinização da água do mar, normalmente, opera de 3 a 4 kWh/m3. A maior fábrica de dessalinização do mundo, em Sorek, Israel, produz 150 Mm3/a a um custo de 0,52 dólares/m3.

RECICLAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS

60 por cento da água de irrigação vem de águas residuais. Israel reutiliza 90 por cento dos seus efluentes. As razões para a reciclagem são óbvias: Novos recursos hídricos limitados, alívio na procura de água potável, reduzir a poluição de rios e estuários e oferecer o fornecimento fiável de água à prova de seca. Existem obstáculos à reutilização de águas residuais, tais como o custo, a perceção do público, a falta de orientações regulamentares, mas não há aqui nenhum problema técnico, e as cidades precisam de fornecer uma solução para os seus efluentes.

A água é essencial para as smart cities, em diversos aspetos: parques e jardins, segurança alimentar e agricultura urbana, edifícios verdes, uso de água urbana. Em parques e jardins, utilizamos a irrigação. Acompanhamos e controlamos a humidade do solo e plantas, utilizando dados cloud-based. Em edifícios verdes recolhemos a água da chuva, tratamos a água, gerimos lagoas, telhados verdes e jardins de chuva. Monitorizamos e controlamos a nossa água potável, águas pluviais e águas residuais.

A agricultura urbana é uma resposta à crescente urbanização e responde à urgente questão da segurança alimentar. Quintais e hortas comunitárias, estufas – residenciais, comerciais ou comunitárias, jardins nos terraços, paredes verdes e quintas verticais.

Existe uma relação clara, comida – água – energia. As cidades inteligentes precisam seguir os ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável). É nosso dever fazer andar a economia circular. A tecnologia e a inovação são necessárias. A oferta de tecnologias climáticas inteligentes e disruptivas podem ser disseminadas para outras cidades. Os ODS devem ser a nossa bússola. Eles ajudam-nos a construir a nossa estratégia e alcançar o nosso objetivo.

Fonte: expresso.pt

Balcão Verde

Balcão de Atendimento aos Agricultores.
Com o RURALSIMPLEX é possível junto das estruturas locais - Cooperativas Agrícolas, Caixas de Crédito Agrícola, Associações de Agricultores e outras entidades com o protocolo específico agrupadas na CONFAGRI - atender Agricultores e prestar-lhes serviços de qualidade.

Aceder ao Balcão Verde Acesso reservado
Newsletter e Alertas

Receba alertas das notícias que mais interessam no setor agrícola: Legislação, Programas e Incentivos, Formação Profissional, Produtos e Iniciativas, Cooperativismo e todas as novidades relacionadas com a sua atividade profissional. Subscreva a newsletter CONFAGRI