É necessária uma ação urgente no Mediterrâneo

Confagri 10 Out 2019

Fonte: publico.pt

As notícias de que a região do Mediterrâneo está a aquecer 20% mais rápido do que a média global devem ser levadas a sério e obrigar-nos a tomar uma ação. A União para o Mediterrâneo pede uma resposta regional direcionada a este problema regional e crucial.

Reconhecida pela sua riqueza cultural e natural, a bacia do Mediterrâneo tem comprovado a sua diversidade excecional ao longo dos tempos. As estimativas atuais indicam que a região hospeda até 18% de todas as espécies marinhas identificadas no Mundo. Deixado por conta própria, o Mediterrâneo claramente tem uma capacidade natural de cultivar a vida. Mas essa tenacidade de longa data em termos de sustentação tem os seus limites, pois a interferência e ação humana leva-a ao limite. A combinação da concentração de atividades económicas e a sua dependência em métodos de agricultura sensíveis ao clima tornam a região num dos principais pontos críticos das alterações climáticas no Mundo.

Nas últimas décadas, as temperaturas médias anuais do mar e da atmosfera aumentaram, assim como o nível do mar, e todas as previsões indicam a aceleração desses aumentos. Enquanto isso, a acidificação da água piora. Além disso, há 15 mega-cidades que fazem fronteira com as costas do Mediterrâneo e que correm o risco de inundações, tornando a região particularmente suscetível a esses aumentos previstos no futuro. Até 2050, espera-se que 250 milhões de pessoas sejam “pobres em água”, além de que existirá um número de cidadãos em necessidade de socorro através de medidas de emergência que serão de difícil gestão. Todas essas mudanças colocam em risco tanto os ecossistemas como o bem-estar humano.

Existe uma riqueza de literatura científica sobre o Mediterrâneo. Avaliações e dados detalhados sobre os riscos podem ser encontrados, mas os recursos são desigualmente distribuídos e algumas das regiões mais vulneráveis e setores económicos precários têm sido, até agora, insuficientemente estudados. Os decisores públicos e privados têm acesso inadequado a pesquisas confiáveis e atualizadas. Mais notavelmente, tais estudos geralmente concentram-se na área Norte do Mediterrâneo, significando que a região mais quente e seca do Sul debate-se para tomar decisões bem informadas e coordenadas regionalmente quando o tema são as alterações climáticas. Existe, há já algum tempo, uma necessidade urgente de reunir os conhecimentos científicos mais avançados sobre o meio ambiente na bacia do Mediterrâneo e torná-lo facilmente acessível aos formuladores de políticas, especialistas e cidadãos.

Ciente dessa necessidade crítica, o Secretariado da UpM iniciou, em 2015, um apoio e colaboração com a MedECC, uma rede de 600 cientistas de todos os 35 países da região do Mediterrâneo. Juntando forças, foi construída uma avaliação cientificamente robusta sobre as mudanças climáticas e ambientais e os seus impactos na bacia do Mediterrâneo. O resultado final desse esforço coletivo foi o desenvolvimento da primeira plataforma de política regional sobre essas mesmas mudanças. Hoje, os cientistas por trás do relatório apresentam em primeira mão as suas principais conclusões, em Barcelona.

Para gerir os riscos futuros, será fundamental criar resiliência, explorando os dados analisados ​​no relatório. Só assim podemos esperar resolver os principais problemas relacionados com as mudanças em andamento de maneira robusta e resoluta. De facto, devemos transformar as mudanças climáticas numa oportunidade de desenvolvimento comum e pacífico, justo e sustentável. Uma mensagem, além das descobertas científicas imediatas, surge do relatório: nenhuma pessoa, organização ou área, seja na margem sul ou norte do Mediterrâneo, pode enfrentar sozinha a amplitude de desafios. Exige-se um esforço comum para enfrentar esta emergência climática. Trabalhar em conjunto pode levar a um novo ciclo de crescimento coletivo, mais aprimorado e igualitário, inclusive nas relações de género. Reconsiderando em termos de justiça e de direitos humanos, a nossa abordagem aos recursos deve estar no centro desse processo, porque existem inegavelmente enormes desequilíbrios na região, desde o acesso a recursos, aos conflitos e a contínua migração em larga escala. Se não agirmos agora, o aquecimento global afetará irreversivelmente a região do Mediterrâneo e os seus habitantes. A UpM continuará, portanto, a conduzir as conversações necessárias para preparar a região para enfrentar, combater e até reverter os inevitáveis ​​impactos das alterações climáticas e ambientais.

Conformarmo-nos com o status quo não é uma opção. Temos que ser audazes nas nossas convicções e agir em conjunto, caso contrário, as consequências serão dramáticas e, muito possivelmente, irreversíveis. Os cidadãos e as próximas gerações pedem que os seus líderes façam mais. Não há espaço para os desapontarmos.

Balcão Verde

Balcão de Atendimento aos Agricultores.
Com o RURALSIMPLEX é possível junto das estruturas locais - Cooperativas Agrícolas, Caixas de Crédito Agrícola, Associações de Agricultores e outras entidades com o protocolo específico agrupadas na CONFAGRI - atender Agricultores e prestar-lhes serviços de qualidade.

Aceder ao Balcão Verde Acesso reservado
Newsletter e Alertas

Receba alertas das notícias que mais interessam no setor agrícola: Legislação, Programas e Incentivos, Formação Profissional, Produtos e Iniciativas, Cooperativismo e todas as novidades relacionadas com a sua atividade profissional. Subscreva a newsletter CONFAGRI