Uniadegas diz que setor vitivinícola foi condenado ao abandono

Confagri 02 Mar 2021

Fonte: dinheirovivo.pt/Lusa

Associados da Uniadegas, que representa 11 adegas na Região Demarcada do Douro, vão reunir-se no sábado, para uma tomada de posição conjunta sobre o Plano de Recuperação e Resiliência.

O presidente da União das Adegas Cooperativas da Região Demarcada do Douro (Uniadegas) considera que o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) condenou ao esquecimento e ao abandono o setor vitivinícola.

“Foi com estupefação e muita preocupação que constatámos que o PRR, considerado um instrumento único e irrepetível na história recente de Portugal para impulsionar a economia nacional, praticamente esquece um setor vital como é o da agricultura e, particularmente, a vitivinicultura”, afirmou Ilídio Santos à agência Lusa.

O presidente da Uniadegas, que representa 11 adegas do Douro, criticou o PRR, cuja consulta pública termina hoje, e referiu que os associados desta organização vão reunir-se no sábado, para uma tomada de posição conjunta sobre o documento.

“Quando esperávamos que, por uma vez, num esforço de coesão nacional e quando Portugal vai receber apoios financeiros sem precedentes na sua história, o poder central se lembrasse de quem, neste período, tanto trabalhou para manter a cadeiras de produção a funcionar, constatamos que, mais uma vez, fomos condenados ao esquecimento e ao abandono”, salientou.

Ilídio Santos lembrou o esforço do setor neste período de pandemia, considerando que foi um dos que “melhor deu resposta” à crise.

“Nem por isso deixou de colaborar para a riqueza nacional durante este período negro de covid-19. Todas as videiras, todas as vinhas, tiveram que ser tratadas independentemente de estarmos com covid ou não. Não pode haver teletrabalho para quem trabalha no campo”, sublinhou.

E agora, frisou, o Douro não “baixará os braços na luta diária de dignificação e enriquecimento da produção e da região.

“Mas não deixaremos também de pugnar pela defesa do setor, pela mais do que justa reivindicação da solidariedade social por parte de quem terá a tarefa de pensar o país como um todo e não apenas de alguns terreiros do paço”, frisou.

Como exemplo de medidas necessárias para a região demarcada, Ilídio Santos apontou um “forte apoio à mão de obra no setor vitivinícola no Douro”, o qual, na sua opinião poderia ser dado, entre outros, com “um apoio direto ao trabalhador através da isenção de IRS”.

“Outro exemplo era um apoio ao setor cooperativo que precisa de se remodelar para se adaptar e conseguir competir com as outras empresas privadas”, salientou.

Depois de um rascunho apresentado à Comissão Europeia em outubro passado e de um processo de conversações com Bruxelas, o Governo português colocou a versão preliminar e resumida do PRR em consulta pública, no qual estipula “19 componentes, que integram por sua vez 36 reformas e 77 investimentos”.

O executivo justifica que, “com base no diagnóstico de necessidades e dos desafios”, foram definidas três “dimensões estruturantes” de aposta – a da resiliência, da transição climática e da transição digital -, às quais serão alocados 13,9 mil milhões de euros em subvenções a fundo perdido das verbas europeias pós-crise.

Previsto está que a maior fatia (61%) das verbas do PRR se destine à área da resiliência, num total de 8,5 mil milhões de euros em subvenções e de 2,4 mil milhões de euros em empréstimos.

Balcão Verde

Balcão de Atendimento aos Agricultores.
Com o RURALSIMPLEX é possível junto das estruturas locais - Cooperativas Agrícolas, Caixas de Crédito Agrícola, Associações de Agricultores e outras entidades com o protocolo específico agrupadas na CONFAGRI - atender Agricultores e prestar-lhes serviços de qualidade.

Aceder ao Balcão Verde Acesso reservado
Newsletter e Alertas

Receba alertas das notícias que mais interessam no setor agrícola: Legislação, Programas e Incentivos, Formação Profissional, Produtos e Iniciativas, Cooperativismo e todas as novidades relacionadas com a sua atividade profissional. Subscreva a newsletter CONFAGRI