Estação de Avisos Agrícolas de Castelo Branco alerta para a lepra dos pessegueiros

Confagri 19 Mar 2019

A Estação de Avisos Agrícolas de Castelo Branco acaba de disponibilizar a Circular nº 3/2019, onde alerta para a lepra dos pessegueiros; o crivado, a cilindrosporiose e a moniliose das cerejeiras; o pedrado das macieiras e pereiras; e o Olho de Pavão do olival.

Explica aquela Estação de Avisos Agrícolas que as condições meteorológicas registadas, tempo quente e seco, não têm sido favoráveis ao desenvolvimento do fungo da lepra do pessegueiro. No entanto, a intensidade da doença depende da suscetibilidade das variedades, quantidade de inóculo existente, temperaturas suaves e tempo húmido.

Na presença de condições favoráveis, até ao vingamento dos frutos, os tratamentos devem ser realizados antes da ocorrência de precipitação, com uma das substâncias ativas homologadas: captana (Malvin 80 WG, Merpan 80 WG), difenoconazol (Zanol, Mavita 250 EC, Score 250 EC), dodina (Syllit 544 SC) enxofre (Enxofre Molhável Selectis), zirame (Zico, Zidora AG, Thionic WG).

Alerta a Estação de Avisos que a substancia ativa tirame tem data limite de comercialização até 30 de Janeiro de 2019 e data limite de utilização até 30 de abril de 2019.

No que diz respeito às cerejeiras, aquela entidade foca-se no crivado, na cilindrosporiose e na oniliose. «Acompanhe a evolução do estado fenológico da cultura na sua parcela. Deve prevenir o aparecimento destas doenças antes da ocorrência de precipitação, com um produto homologado». Não deve aplicar produtos à base de cobre após o estado fenológico (C) botões visíveis, por risco de fitotoxicidade.

Quanto ao pedrado das macieiras e pereiras, refere a Estação de Avisos Agrícolas de Castelo Branco que o início dos tratamentos deve iniciar-se ao início da rebentação (estado C-C3 nas macieiras; estado C3-D nas pereiras), se forem previstos períodos de chuva.

No que diz respeito ao Olho de Pavão do olival, acrescenta aquela entidade que os olivais da região apresentam com frequência sintomas desta doença. Os estragos manifestam-se em desfoliações intensas, provocando desequilíbrios nutricionais, com consequências na diferenciação floral e redução da produção.

As oliveiras encontram-se no início vegetativo (B), fase sensível ao ataque deste fungo. Aconselha-se, até ao aparecimento dos botões florais, a realização de um tratamento com um produto fitofarmacêutico homologado.

Fonte. Agricultura e Mar Actual

Balcão Verde

Balcão de Atendimento aos Agricultores.
Com o RURALSIMPLEX é possível junto das estruturas locais - Cooperativas Agrícolas, Caixas de Crédito Agrícola, Associações de Agricultores e outras entidades com o protocolo específico agrupadas na CONFAGRI - atender Agricultores e prestar-lhes serviços de qualidade.

Aceder ao Balcão Verde Acesso reservado
Newsletter e Alertas

Receba alertas das notícias que mais interessam no setor agrícola: Legislação, Programas e Incentivos, Formação Profissional, Produtos e Iniciativas, Cooperativismo e todas as novidades relacionadas com a sua atividade profissional. Subscreva a newsletter CONFAGRI